Os Adeptos Madrugadores da Seleção

Durante o Campeonato da Europa de futebol de 2016, os adeptos portugueses demonstraram mais uma vez até que ponto o futebol é uma paixão nacional. Nenhum outro desporto, nem o râguebi, o hóquei em patins ou outro, conseguiria mobilizar o mesmo nível de adesão que se viu em França durante estes dias. Os jogadores e os elementos da comitiva técnica da seleção relatavam que, muitas vezes, os adeptos esperavam pela chegada dos jogadores, desde madrugada, ao campo de treinos, para conseguir alguns autógrafos ou simplesmente para os saudar. O nível de entusiasmo e apoio dos adeptos alcançou níveis que surpreenderam todo o grupo.

Identificação coletiva e comunitáriadownload (4)

Grande parte dos adeptos presentes em França não tinham viajado de propósito para apoiar a seleção; eram, na verdade, emigrantes portugueses em busca de um contacto com os representantes do seu país. A história da emigração portuguesa em França remonta à decada de 60 e, apesar do relativo sucesso da integração social e económica da comunidade no tecido social francês, os portugueses – mesmo os de 2.ª e 3.ª geração – não perderam inteiramente a sua identificação com o país dos seus pais e avós. O facto de estarem longe faz com que tenham desenvolvido sentimentos de ligação e pertença mais fortes do que o que se encontra em Portugal, propriamente.

Momento de celebração

O futebol tornou-se gradualmente, ao longo do século XX, o desporto mais importante e adquiriu uma carga sociológica e política não igualada por outros desportos. Uma vitória de Portugal sobre a França em râguebi, por exemplo, ainda que numa partida disputada em território francês, não teria o mesmo significado simbólico de superação coletiva do que uma vitória no futebol, uma vez que tanto portugueses como franceses têm uma predileção muito superior pelo “desporto-rei”. Por esse motivo, o facto de a primeira vitória num torneio internacional da seleção portuguesa ter acontecido em França foi ainda mais especial, pelo que representou em termos simbólicos para a comunidade portuguesa nesse país.